Da nebulosidade inicial, o Homem limpa os olhos, descobre o silêncio, caminha para o dia em direção à luz. O sagrado não se oculta, está em si, nele, no Homem, à procura da claridade que decorre por entre as mãos.
Do obscuro saber, o mito esmaga a exterioridade, leva o Homem à viagem interior, onde as cores revelam a presença do sagrado que se esmagam no encontro da sensibilidade, no ventre.
Da coisificação absurda, rodeante, o Homem projeta no universo, na tela, a desordem onírica, que espera, necessita, do olho, da água, da lágrima que dá ordem, sentido.
Na inquietude individual, o artista, o pintor, olha o mito, agarra a cabeça, mergulha nas cores, limpa os olhos, desvela a vida.
A Vida...

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Para fazer conjunto com as outras peças esta tela pintada de fresco


Esta Tela é para oferecer à Flora que mesmo em tempo de crise me ajuda e se não fosse ela
não tinha material para a próxima exposição
Obrigada Flora:)

4 comentários:

Flora disse...

Ola Silvia!

Tens um GRANDE TALENTO!!!
Adoro loucamente as tuas pinturas, pela cor, pela beleza, e pela expreesão.
As tuas pinturas,"enchem" uma casa!!!
Parabens.
O teu trabalho ja foi elogiado, por visitas.
vou fotografar para a rede facebock.
hoje passo na tua casa.
Mais uma vez o nosso muito obrigado.

Silvia Mota Lopes disse...

o teu quadro já sofreu algumas alterações mas ficou ainda mais bonito.:)
obrigada flora!

Anónimo disse...

Eu é que agradeço, Silvia!!
O "MEU" quadro casa vez, tá mais bonito....sofreu duas alteraçoes, em volta do passaro, e levou feltro !!! certo.
bsj

Silvia Mota Lopes disse...

tem mais umas coisitas, mas não te preocupes está lindo! e a combinar com as outras peças que levaste. :)