Da nebulosidade inicial, o Homem limpa os olhos, descobre o silêncio, caminha para o dia em direção à luz. O sagrado não se oculta, está em si, nele, no Homem, à procura da claridade que decorre por entre as mãos.
Do obscuro saber, o mito esmaga a exterioridade, leva o Homem à viagem interior, onde as cores revelam a presença do sagrado que se esmagam no encontro da sensibilidade, no ventre.
Da coisificação absurda, rodeante, o Homem projeta no universo, na tela, a desordem onírica, que espera, necessita, do olho, da água, da lágrima que dá ordem, sentido.
Na inquietude individual, o artista, o pintor, olha o mito, agarra a cabeça, mergulha nas cores, limpa os olhos, desvela a vida.
A Vida...

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Uma Fada



                                  Embrenhei-me no bosque
                                  Vi…
                                  Árvores gigantes abraçadas
                                  Alimentando-se de amor
                                  Não ligando a quem passava
                                  Olhem para mim por favor! -murmurei
                                  Nada…
                                  Percorri distâncias ilimitadas
                                  Adormeci perto do rio
                                  Senti frio
                                  Os cabelos encheram-se de minúsculas libélulas iluminadas
                                  E flores perfumadas
                                  Um cheiro a terra molhada
                                  E um aroma a mentol vindo do nada
                                  Nada vi
                                  Apenas senti
                                  Uma fada!!!!

4 comentários:

Lídia Borges disse...


Há árvores grandes demais e, no entanto,a sua sombra não é suficiente para nos refrescar nos acervos do calor.
Minúsculas libélulas, flores e odores, quase nada e afinal... Tão TUDO!

Um beijo

Silvia Mota Lopes disse...

Beijinhos:)

Amapola disse...

Boa noite, querida amiga Silvia.

É tão bom sentir essa FADA...

Beijos.

Silvia Mota Lopes disse...

SE é Amapola e nos dias de hoje ainda mais:)
beijinhos