Da nebulosidade inicial, o Homem limpa os olhos, descobre o silêncio, caminha para o dia em direção à luz. O sagrado não se oculta, está em si, nele, no Homem, à procura da claridade que decorre por entre as mãos.
Do obscuro saber, o mito esmaga a exterioridade, leva o Homem à viagem interior, onde as cores revelam a presença do sagrado que se esmagam no encontro da sensibilidade, no ventre.
Da coisificação absurda, rodeante, o Homem projeta no universo, na tela, a desordem onírica, que espera, necessita, do olho, da água, da lágrima que dá ordem, sentido.
Na inquietude individual, o artista, o pintor, olha o mito, agarra a cabeça, mergulha nas cores, limpa os olhos, desvela a vida.
A Vida...

domingo, 11 de março de 2012

Pronto...para "matar" a vossa curiosidade :)

 
Um pedaço do berço
Uma menina perdida numa densa e sombria floresta
onde habitam seres do fantástico...quer entregar o seu coração
para completar a sua missão aqui na terra e voar para outra dimensão :)
pintura acrílico em madeira
marcador permanente e pastel óleo e um pouquinho dos meus dedos ...já estava com saudades!

6 comentários:

MA FERREIRA disse...

Silvia...

Que lindo seu trabalho...cheio de ternura a sua fala!!

Parabéns e um ótimo domingo!!!
bj

Silvia Mota Lopes disse...

Obrigada Ma Ferreira um bom domingo para si:)

FA disse...

Isso promete!

Está a ficar lindo, vindo de ti, a magia acontece sempre!

Beijinho doce amiga :)

Silvia Mota Lopes disse...

Linda!
Um beijinho doce para ti também e uma noite descansada! :)

Silvia Mota Lopes disse...

Sabes uma coisa eu acho que inconscientemente foi pintada a pensar em ti...tu és essa menina :)

FA disse...

Tu és uma querida!
Mas sabe que quando li senti alguma afinidade com a "história"... que engraçado...
Obrigada pelo carinho sua linda!
Bjca