Da nebulosidade inicial, o Homem limpa os olhos, descobre o silêncio, caminha para o dia em direção à luz. O sagrado não se oculta, está em si, nele, no Homem, à procura da claridade que decorre por entre as mãos.
Do obscuro saber, o mito esmaga a exterioridade, leva o Homem à viagem interior, onde as cores revelam a presença do sagrado que se esmagam no encontro da sensibilidade, no ventre.
Da coisificação absurda, rodeante, o Homem projeta no universo, na tela, a desordem onírica, que espera, necessita, do olho, da água, da lágrima que dá ordem, sentido.
Na inquietude individual, o artista, o pintor, olha o mito, agarra a cabeça, mergulha nas cores, limpa os olhos, desvela a vida.
A Vida...

segunda-feira, 9 de julho de 2012

hello!!!

 
Este desenho foi feito por mim e pela Alícia:)
Agora mesmo.... e ela está aqui ao meu lado já cheia de sono!!!!
Ontem virou-se para mim... - Mãe...HELLO!!!!!!

4 comentários:

Gaspar de Jesus disse...

O boneco é o mesmo, (mas só agora reparei que aqui e ali é compartilhado com algumas crianças).
Seja como for, só um grande coração pode produzir tantos afectos, tanta beleza.
Beijos
G.J.

Silvia Mota Lopes disse...

Obrigada Gaspar
Por ser uma pessoa sensível
Beijinhos

César disse...

Cara! Adorei essa boneca. Parece perfeita para formar um personagem. Como "Lili cabeça de girassol vermelho".

Abraços...

Silvia Mota Lopes disse...

A sério?
Abraço