Da nebulosidade inicial, o Homem limpa os olhos, descobre o silêncio, caminha para o dia em direção à luz. O sagrado não se oculta, está em si, nele, no Homem, à procura da claridade que decorre por entre as mãos.
Do obscuro saber, o mito esmaga a exterioridade, leva o Homem à viagem interior, onde as cores revelam a presença do sagrado que se esmagam no encontro da sensibilidade, no ventre.
Da coisificação absurda, rodeante, o Homem projeta no universo, na tela, a desordem onírica, que espera, necessita, do olho, da água, da lágrima que dá ordem, sentido.
Na inquietude individual, o artista, o pintor, olha o mito, agarra a cabeça, mergulha nas cores, limpa os olhos, desvela a vida.
A Vida...

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

:(

Soube agora que faleceu um pintor amigo  (Vino)
Pelo pouco que me deste, pelo pouco que falamos será muito no meu coração.
Nunca te vou esquecer!

2 comentários:

Mercedes Ridocci disse...

Vino Morais ha fallecido de repente, parece ser que mientras dormía la noche del día 1 de Enero del 2013.
Estoy conmocionada.

Espero que tu estés bien y que este año te depare lo mejor.

Un gran abrazo.

Silvia Mota Lopes disse...

:( Um Feliz 2013 para ti Mercedes!
Um grande abraço