Da nebulosidade inicial, o Homem limpa os olhos, descobre o silêncio, caminha para o dia em direção à luz. O sagrado não se oculta, está em si, nele, no Homem, à procura da claridade que decorre por entre as mãos.
Do obscuro saber, o mito esmaga a exterioridade, leva o Homem à viagem interior, onde as cores revelam a presença do sagrado que se esmagam no encontro da sensibilidade, no ventre.
Da coisificação absurda, rodeante, o Homem projeta no universo, na tela, a desordem onírica, que espera, necessita, do olho, da água, da lágrima que dá ordem, sentido.
Na inquietude individual, o artista, o pintor, olha o mito, agarra a cabeça, mergulha nas cores, limpa os olhos, desvela a vida.
A Vida...

domingo, 13 de janeiro de 2013

Estou apaixonada e tu?

 
 

4 comentários:

Bicho do Mato disse...

Oi amiga, tudo bem? Vim visitar teu blog e aproveito para dizer que voltei a postar em meu blog. Convido-te a fazer uma visitinha, pois estás fazendo muita falta. Aguardo-te. Abraços do amigo Bicho do Mato.

Nádia Santos disse...

Sílvia, que maravilhas de tela, e as coras são quentes, ardentes... passasse toda paixão que sentes nessa tela. Maravilhosa. Bjus e linda semana.
http://poesiasesonetos.blogspot.com.br
http://soltandoamente.blohspot.com.br

Nilson Barcelli disse...

Sempre...
Adorei a pintura.
Talento, não te falta.
Beijinhos.

Silvia Mota Lopes disse...

Obrigada Nilson:) Beijinho
Obrigada Nádia:)a ilustração não tem exatamente essas cores efeitos especiais:) bjo