Da nebulosidade inicial, o Homem limpa os olhos, descobre o silêncio, caminha para o dia em direção à luz. O sagrado não se oculta, está em si, nele, no Homem, à procura da claridade que decorre por entre as mãos.
Do obscuro saber, o mito esmaga a exterioridade, leva o Homem à viagem interior, onde as cores revelam a presença do sagrado que se esmagam no encontro da sensibilidade, no ventre.
Da coisificação absurda, rodeante, o Homem projeta no universo, na tela, a desordem onírica, que espera, necessita, do olho, da água, da lágrima que dá ordem, sentido.
Na inquietude individual, o artista, o pintor, olha o mito, agarra a cabeça, mergulha nas cores, limpa os olhos, desvela a vida.
A Vida...

sábado, 3 de novembro de 2012

momentos de nostalgia? quem os não tem:)


                                                Não importa se é quase invisível
                                                                   Ou enormemente visível
                                                                                 Não importa que espécie é
                                                                                          Um ser vivo simplesmente
                                                                                                                     canta o amor


O amor é base de tudo é o primeiro e o último degrau da escada e com ele a subimos e descemos:)
Sílvia Mota Lopes

2 comentários:

YellowMcGregor disse...

« A toast before we go into battle. True love. In whatever shape or form it may come. May we all in our dotage be proud to say, "I was adored once too." »
"Gareth" in 4 Weddings and a Funeral.

Silvia Mota Lopes disse...

:)