Da nebulosidade inicial, o Homem limpa os olhos, descobre o silêncio, caminha para o dia em direção à luz. O sagrado não se oculta, está em si, nele, no Homem, à procura da claridade que decorre por entre as mãos.
Do obscuro saber, o mito esmaga a exterioridade, leva o Homem à viagem interior, onde as cores revelam a presença do sagrado que se esmagam no encontro da sensibilidade, no ventre.
Da coisificação absurda, rodeante, o Homem projeta no universo, na tela, a desordem onírica, que espera, necessita, do olho, da água, da lágrima que dá ordem, sentido.
Na inquietude individual, o artista, o pintor, olha o mito, agarra a cabeça, mergulha nas cores, limpa os olhos, desvela a vida.
A Vida...

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Três pedaços de mim:)

 
 

6 comentários:

Rogério Pereira disse...

Andava a esconder?
Mas mal dá para ver...
Só uma coisa é evidente
Orgulho, né?, mãe contente

Silvia Mota Lopes disse...

Não Rogério apenas tudo que partilho aqui é público e não gosto de expor as fotografias dos meus filhos..por isso é que se vê mal..
A intenção é mesmo essa que se veja mal:) procuro sempre desfocar um pouco as fotos onde eles aparecem.
beijinhos

Silvia Mota Lopes disse...

Orgulho sim Rogério:)
contente? MUITO.

Silvia Mota Lopes disse...

O lançamento do meu livro vai ser em Novembro e dediquei-o aos meus filhos e a TODAS AS CRIANÇAS DO MUNDO!

AMO SINIESTRO disse...

Interesante espacio, saludos. Te invito a conocer el mío.
http://paisbdsm.blogspot.com.es/2012/10/los-comienzos.html

Silvia Mota Lopes disse...

Obrigada:)
saludos