Da nebulosidade inicial, o Homem limpa os olhos, descobre o silêncio, caminha para o dia em direção à luz. O sagrado não se oculta, está em si, nele, no Homem, à procura da claridade que decorre por entre as mãos.
Do obscuro saber, o mito esmaga a exterioridade, leva o Homem à viagem interior, onde as cores revelam a presença do sagrado que se esmagam no encontro da sensibilidade, no ventre.
Da coisificação absurda, rodeante, o Homem projeta no universo, na tela, a desordem onírica, que espera, necessita, do olho, da água, da lágrima que dá ordem, sentido.
Na inquietude individual, o artista, o pintor, olha o mito, agarra a cabeça, mergulha nas cores, limpa os olhos, desvela a vida.
A Vida...

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Depois de algumas tarefas domésticas realizadas...eis um desenho para relaxar:)

 
Posted by Picasa

4 comentários:

FA disse...

É incrível que até mesmo depois das tarefas domésticas ainda tens inspiração, rs...
Gosto muito da ilustração, lembra-me a infância, férias de verão, que bom!
Precisamos levar nossas crianças ao mar :)

Silvia Mota Lopes disse...

pois o tempo deu cabo do meu piquenique...vamos ver no próximo domingo , no sábado a Mariana tem prova de piano. Estou sempre presa por alguma razão...ainda não foi desta...e estamos a precisar de sair do ninho.:)

Silvia Mota Lopes disse...

Toda a gente me pergunta como tenho tempo para estas coisas! três filhos uma casa para cuidar, um marido querido para dar atenção...o trabalho no JI...tenho tempo para tudo...um pouco...:)

Silvia Mota Lopes disse...

e sabes uma coisa...Tenho uma filha adolescente e outro na pré adolescência e dão uma dor de cabeça...nem imaginas! ;)